Agradeço a todas as visitas e comentários! Seja bem vindo!!! Que Deus abençoe a tua vida!

terça-feira, 25 de setembro de 2007

Unimultiplicidade

"Brasília tem suas estradas,
mas eu navego é noutras águas"


Em Mianmá (ex-Birmânia), nas últimas semanas, milhares de pessoas estão saindo em protesto contra o regime militar. A junta militar do país começou a fazer ameaças depois que pelo menos 100 mil pessoas (entre elas, 20 mil monges) marcharam na antiga capital, Rangum, no maior protesto desde 1988 - quando manifestações contra o regime militar imposto em 1962 foram violentamente reprimidas pelo Exército. Acredita-se que pelo menos 3 mil pessoas tenham sido mortas naquela ocasião. A sociedade birmanesa é profundamente marcada pela vivência do Budismo desde o berço. Os monges budistas aderiram a um movimento de protesto desencadeado em 19 de Agosto contra o regime na Birmânia, após o forte aumento dos preços dos combustíveis e dos transportes em geral, que afeta duramente a população deste país pobre do Sudeste da Ásia. Mianmá é governada por sucessivas juntas militares desde 1962. O regime atual do general Than Shwe se caracteriza por não aceitar nenhum ato de protesto. A principal opositora, Aung San Suu Kyi (que ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 1991), está em prisão domiciliar desde 2003 e passou a maior parte dos últimos 18 anos detida.
Enquanto isso, no Brasil, as estatísticas dizem que só cresce o número de evangélicos. Seriam quase 30 milhões. Maioria absoluta de evangélicos e católicos fazem do Brasil um dos maiores países cristãos do mundo. Infelizmente, isso não é suficiente para mobilizar o país na direção de uma revolução contra a corrupção, marginalidade, miséria e injustiças. Será que não podemos ou simplesmente não nos convém esse tipo de mobilização!? O que cantamos? O que pregamos?
A criatividade dos nossos ‘artistas’ ‘evangélicos’ não está lá grande coisa. Sua sensibilidade para com a situação do mais pobre e a injustiça no país também não consegue inspiração o bastante. Assim, resta mesmo é ‘navegar em outras águas’. Enquanto lavo a louça e ouço Ana Carolina, coisas vão passando pela mente. A música que tocava não era essa, mas lembrei Brasil Corrupção. Eu não sei cantar e muito menos tocar qualquer instrumento. Quem sabe um dia me arrisque a aprender viola caipira, mas, deixa para adiante... Se eu fosse de um grupo de louvor iria propor cantar Brasil Corrupção bem no meio do culto (talvez use o CD mesmo um dia). Em muitas igrejas talvez, fosse minha última vez no louvor ou, quem sabe, disciplina ou excomunhão direto, mas, acho que valeria a pena assim mesmo!
Enquanto a maioria ‘cristã’ está mais interessada em músicas e discursos gospélicos, em ficar rico e travar batalhas quixotescas com o demônio, experimente ouvir essa música de composição de Ana Carolina e Seu Jorge, do Álbum de 2005:
Neste Brasil corrupção/ pontapé bundão/ puto saco de mau cheiro/ do Acre ao Rio de Janeiro/ Neste país de manda-chuvas/ cheio de mãos e luvas/ tem sempre alguém se dando bem de São Paulo a Belém/ Pego meu violão de guerra/ pra responder essa sujeira./ E como começo de caminho/ quero a unimultiplicidade/ onde cada homem é sozinho/ a casa da humanidade./ Não tenho nada na cabeça/ a não ser o céu/ não tenho nada por sapato/ a não ser o passo./ Neste país de pouca renda/ senhoras costurando/ pela injustiça vão rezando/ da Bahia ao Espírito Santo/ Brasília tem suas estradas/ mas eu navego é noutras águas./ E como começo de caminho/ quero a unimultiplicidade/ onde cada homem é sozinho/ a casa da humanidade.
Não é curioso como esses artistas não aparecem na mídia conservadora e hegemônica do país!? Você já ouviu essa letra em alguma grande rádio!? Pois é, na Birmânia a imprensa controlada pelo estado também não publica relatórios sobre as demonstrações dos monges. Deve ser coincidência. Ou, nossos programadores musicais ainda não descobriram o Brasil Corrupção!?

Ninguém precisa olhar para a Birmânia, Brasília, Rio ou São Paulo para enxergar situações que precisam ser transformadas. Comecemos por nossa própria cidade!

Links:
'Só de sacanagem'

Birmânia e Budismo

Sobre a Birmânia

Protestos de monges em Mianmá

Nossa Música Brasileira

terça-feira, 18 de setembro de 2007

De Onde Me Virá o Socorro?

A Bíblia: Só Mais Um Manual de Auto-ajuda?
.
O Reformador Martin Lutero disse certa vez: "Minha consciência é cativa da Palavra de Deus"

O mercado editorial brasileiro comemora a cada ano os lucros no segmento de auto-ajuda. A todo o momento um novo livro é lançado. Receitas prontas prometendo caminhos mais fáceis para se chegar ao sucesso e ao desenvolvimento pessoal. Samuel Smiles (1812-1904) foi quem escreveu o primeiro livro de "auto-ajuda" intitulado "Auto-Ajuda". Foi publicado em 1859 e sua frase de abertura dizia que "o Céu ajuda aqueles que ajudam a si mesmos", uma variação de "Deus ajuda aqueles que ajudam a si mesmos", uma máxima de Benjamin Franklin.
Esse tipo de literatura geralmente defende a tese de que o homem deve seguir seus instintos. Cada um deve buscar dentro de si respostas para sua vida e planejar, ou, programar seu futuro através das respostas encontradas em seu coração. Normalmente a auto-ajuda orienta as pessoas na direção do “ter”, e não mais do “ser” ou “viver”. Geralmente os consumidores de livros de auto-ajuda buscam "respostas fáceis". São pessoas que tentam resolver sozinhos os seus problemas. Encoraja as pessoas a focarem somente o desenvolvimento pessoal, em vez de buscar unir-se a outros seres humanos ou a movimentos sociais, para resolverem seus problemas em conjunto em solidariedade. Ignora-se que os problemas não são apenas pessoais e individualizados. Afinal, a humanidade é uma grande interdependência.
Mas, e quanto à Bíblia? Seria ela também somente um livro que mostra às pessoas como viver melhor? O Reformador Martin Lutero disse certa vez: "Minha consciência é cativa da Palavra de Deus". Com isso ele estava dizendo que a Bíblia estava acima dos seus sentimentos e razões próprias. Compreendemos melhor a diferença entre o princípio bíblico e a tese da auto-ajuda ao lermos o profeta Jeremias: “O coração é mais enganoso que qualquer outra coisa e sua doença é incurável. Quem é capaz de compreendê-lo?” Ou seja, enquanto a maioria dos livros comuns enfatiza que o ser humano é todo poderoso e capaz de sozinho ajudar a si mesmo, a Bíblia é realista. Focando somente nosso próprio interior, a conclusão a que chegaremos não será muito diferente daquilo que o Apóstolo Paulo descobriu: “Miserável homem que eu sou! Quem me libertará do corpo sujeito a esta morte?” (Romanos 7. 24). Se você ler adiante verá que o Apóstolo encontrou reposta para esse dilema.
Sim, as pessoas podem e devem buscar na Bíblia palavras de ânimo, conforto, sabedoria, consolo e encorajamento. Pois, certamente encontrarão. Mas, isso acontece porque as Escrituras nos levam para além de nós mesmos. Revela-nos um Deus de amor, Graça e misericórdia. Um Deus que nunca nos deixará sozinhos pelos vales da sombra da morte.

segunda-feira, 10 de setembro de 2007

Lei Seca

"A vida é nosso bem maior. É responsabilidade de cada um zelar por ela"

Com o objetivo de reduzir acidentes de transito e homicídios no estado, o secretário da Segurança Pública propõe a Lei Seca para o Rio Grande do Sul. De acordo com o projeto, eventos esportivos e culturais que solicitarem a presença da Brigada Militar não poderão vender bebida alcoólica. O projeto também trata sobre a venda de bebidas em bares, restaurantes e lojas de conveniência limitando horários. Fica proibido o comércio da meia-noite às 06h de domingo a quinta-feira. A proibição vale entre 01h e 06h da madrugada nas sextas, sábados e vésperas de feriados. Estabelecimentos comerciais localizados a até 200 metros de escolas e universidades também não poderão vender bebidas uma hora antes das aulas até o final das mesmas. O projeto passa por avaliações e só depois deverá ser encaminhado para a Assembléia Legislativa.
Não faltam evidências de que a ingestão de álcool é uma das grandes causas de acidentes e mortes no trânsito. Mesmo assim, vemos incoerências como venda de bebida alcoólica em postos de gasolina. O carro pode ser a gasolina, já muitos motoristas... Segundo um levantamento da Polícia Civil, cerca de 55% dos acidentes de trânsito com feridos e mortos em Porto Alegre e 80% dos casos de violência contra a mulher envolvem ingestão de bebida alcoólica. Por outro lado, cidades que já experimentaram aplicar a lei seca colheram resultados significativos. Um exemplo é Diadema na grande São Paulo. O índice de homicídios caiu de forma gritante no município. Outras cidades no Brasil estudam a implementação da lei seca. E, assim como no Rio Grande do Sul, as vozes da resistência também se levantam. Cabe aos poderes competentes e á sociedade em geral debater o assunto e estudar as melhores medidas para o bem geral da população.
A vida é nosso bem maior. É responsabilidade de cada um zelar por ela. A minha responsabilidade pela vida envolve também a liberdade e o direito à vida de outras pessoas. A lei seca é apenas uma medida entre outras que devemos apoiar para ajudar as pessoas. A proibição da propaganda de bebidas alcoólicas na televisão seria outra boa sugestão. A influência desses anúncios na iniciação de jovens e adolescentes no álcool é fato. Casas de recuperação, os Alcoólicos Anônimos e grupos de apoio são de fundamental importância para quem deseja sair do vício. Como cristão, conheço um Jesus que diz: “eu vim para que tenham vida, e a tenham plenamente” (João 10. 10). O álcool é um fator que contribui para sofrimento e morte. Os exemplos eu encontro na minha própria família.


Para maiores Informações:
A Lei Seca no Grande Recife

Projeto de Lei Seca no RS

Entrevista com o secretário da Segurança Pública do RS, José Francisco Mallmann

Orkut: Comunidade Contra a propaganda de Bebida alcoólica na TV

Cruz Azul no Brasil

sexta-feira, 7 de setembro de 2007

Sou Amado, Logo Existo

“criou Deus o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou” (Gênesis 1. 27). O que significa para nós humanos sermos criados como Deus, ou seja, parecidos com o nosso criador? O que há em nós que reflete essa imagem e semelhança de Deus? A singularidade humana aparece em dois momentos na criação: 1) De tudo o que Deus criou, o ser humano é o único com o qual Ele se comunica. Somos a única parte da criação de Deus com a qual Ele procura estabelecer um relacionamento. 2) É confiado à humanidade a administração e o cultivo de tudo quanto Deus criou. Se Deus nos criou para a sua glória (Isaías 43. 7) e, apenas um pouco menor do que Ele nos criou (Salmo 8. 5), então isso deveria nos encher de dignidade e amor próprio.
Nós, humanos, somos diferentes, únicos, especiais... Mas, o que nos torna diferentes? O que em nós é parecido com Deus? Por que nós temos condições para dominar esse mundo (Gn 1. 28)? Deus nos deu uma maior força física? Somos maiores que aos outros animais? Uma beleza maior, mais cativante? Maior rapidez, agilidade? Poderes mágicos? Não. É mais e melhor do que tudo isso. O autor John Stott diz é ser agraciado por Deus com a capacidade para pensar, escolher, criar, amar e adorar.
1. Racionalidade autoconsciente. Somos capazes de levantar dúvidas e questionamentos. Podemos olhar para dentro de nós mesmos e nos avaliar, somos autocríticos. Podemos gerar novos pensamentos, propor reflexões sobre a vida e tantas outras questões que julgamos importantes. Somos parecidos com Deus em nossa capacidade de pensar.
2. Capacidade de fazer opções morais. Podemos discernir entre o certo e o errado. Foi por isso que Deus pôde dizer ao primeiro casal humano de quais árvores os frutos eram bons e comestíveis e de qual não se deveria comer. Deus sabia que eles eram perfeitamente capazes de diferenciar e escolher.
3. Criatividade artística. Basta olhar a nossa volta para constatarmos quantas coisas o ser humano já foi capaz de criar. Deus é criador. Ao sermos criados à imagem e semelhança de Deus, ele nos deu o desejo e a capacidade de sermos também criadores.
4. Relacionamentos de amor. Deus é amor. E, a nossa capacidade de amar é um reflexo da nossa semelhança com Ele. É nos relacionamentos que desfrutamos uma vida plena. O ser humano não foi criado para viver só (Gênesis 2. 18). A integridade humana está em viver numa relação com Deus e com o próximo.
5. Todos os seres humanos possuem consciência de que existe algo mais, um ser supremo, uma realidade além de si mesmo. Todos vivemos em busca do ser supremo. Sem Deus estamos perdidos, a vida não faz sentido. Nossa maior nobreza está nessa capacidade de conhecer a Deus, de nos relacionarmos pessoalmente com Ele, de amá-Lo, de adorá-Lo. Seremos verdadeiramente humanos somente quando nos relacionarmos com nosso criador.

terça-feira, 4 de setembro de 2007

Eu li "MARAVILHOSA GRAÇA"

Autor: Philip D. Yancey
Editora Vida
277 páginas

Apenas algumas das frases do livro que me fizeram parar e pensar:


"As grandes revoluções cristãs", disse H. Richard Niebuhr, "não vêm por meio da descoberta de alguma coisa que não era conhecida antes. Elas acontecem quando alguém aceita radicalmente uma coisa que sempre esteve aí"

“Alguns de nós parecemos tão ansiosos em fugir do inferno que nos esquecemos de celebrar a nossa viagem para o céu”

"O mundo pode fazer quase tudo tão bem ou melhor do que a igreja", diz Gordon MacDonald. "Você não precisa ser cristão para construir casas, alimentar os famintos ou curar os enfermos. Há apenas uma coisa que o mundo não pode fazer. Ele não pode oferecer graça."

“Rejeitei a igreja durante algum tempo porque encontrei bem pouca graça ali. Voltei porque não descobri graça em nenhum outro lugar”

“Os cristãos gastam muita energia debatendo e decretando a verdade; cada igreja defende sua versão particular. Mas o que dizer da graça? Como é difícil encontrar uma igreja que esteja competindo com suas rivais para superá-las na graça”

Um pai espanhol decidiu reconciliar-se com seu filho que havia fugido para Madri. Cheio de remorso, o pai publica este anúncio no jornal El Liberal: "PACO, ENCONTRE-SE COMIGO NO HOTEL MONTANA TERÇA-FEIRA AO MEIO-DIA. ESTÁ TUDO PERDOADO, PAPÁ". Paco é um nome comum na Espanha. E quando o pai vai ao local combinado, encontra oitocentos jovens chamados Paco à espera de seus pais

“O caminho de oito passos do budismo, a doutrina hindu do karma, a aliança judaica, o código da lei muçulmana — cada um deles oferece um caminho para alcançar a aprovação. Apenas o cristianismo se atreve a dizer que o amor de Deus é incondicional”.

“O passado deve ser lembrado antes de ser vencido”

"Todos nós somos esquisitos, mas Deus nos ama mesmo assim"

“A prova da maturidade espiritual não é quanto você está ‘puro’, mas, sim, a conscientização de sua impureza. Essa mesma conscientização abre a porta para a graça”

“Se você quer liberdade de palavra, fale abertamente. Se você ama a verdade, fale a verdade”

“Com demasiada freqüência, a igreja levanta um espelho refletindo a sociedade que a cerca, em vez de uma janela revelando um caminho diferente”

“A igreja deveria ser um porto para as pessoas que se sentem horríveis”

“O mundo tem sede de graça. Quando a graça desce, o mundo fica em silêncio diante dela”

segunda-feira, 3 de setembro de 2007

Não Por Méritos

Você alguma vez já parou para refletir sobre as razões que te levam as discussões e disputas com outras pessoas? No Evangelho de Lucas, encontramos os discípulos de Jesus numa discussão acerca de qual deles seria o maior (Lucas 9. 46). Essa disputa começou lá com os doze em volta de Jesus, mas até hoje o assunto ainda está bem presente. É claro que a maioria de nós não ousa falar assim tão abertamente sobre o caso e, muito menos nos atrevemos a reivindicar status assim, na ‘cara dura’. No entanto, basta prestarmos atenção a nossas motivações internas para logo concluirmos que sempre queremos ser o primeiro, o maior, o mais importante.
Jesus percebeu o que estava acontecendo. E Ele mais uma vez toma de exemplo uma criança para dizer que “aquele que entre vocês for o menor, este será o maior” (v. 48). Essa é a lógica desconcertante de Deus. Aliás, a lógica de Deus muitas vezes é totalmente sem lógica. É por isso que muitos sábios ensinam que as Escrituras são para serem ouvidas, precisamos meditar e acolher a Palavra em nossos corações. É meditar e deixar as nossas vidas se moldarem ao padrão de Deus. Mas, o que acontece? Nós queremos encaixar Deus dentro de um padrão aceitável à nossa própria lógica. Estamos sempre nos precipitando. Metemos os pés pelas mãos e nos orgulhamos de coisas que não fizemos. Estamos sempre em busca da grandeza, dos méritos, do aplauso e do elogio.
Jesus era realmente muito paciente e amoroso. Lidar com os discípulos não devia ser fácil. Era cada ‘furo’, cada pisada na bola! No texto de Lucas 9. 46 – 56 são três mancadas: 1) A ‘discussão entre os discípulos acerca de qual deles seria o maior’ – Vaidade. 2) “Mestre, vimos um homem expulsando demônios em teu nome e procuramos impedi-lo, porque ele não era um dos nossos” – Precipitação. 3) Ao verem que Jesus não foi recebido pelo povo, ‘os discípulos Tiago e João perguntaram: “Senhor, queres que façamos cair fogo do céu para destruí-los?”’ – Arrogância.
Esses discípulos eram mesmo umas peças! Conseguiam sair com cada uma! E Jesus sempre aproveita para ensinar algo novo. Ele não desistiu dos doze discípulos, mas insistiu com eles. E, logo depois, lá estão eles novamente tentando eliminar a concorrência e querendo mostrar serviço para ganhar uns pontinhos com o Mestre! Que reconfortante é descobrir esse Deus gracioso nas Escrituras. Ah! Como eu sou parecido com os discípulos quando se trata de pisar na bola e de dar mancada! Como é bom saber que o amor de Deus o faz insistir comigo! Pois Cristo “não veio para destruir a vida dos homens, mas para salvá-los”.

domingo, 2 de setembro de 2007

A História de John Newton e Amazing Grace

Por volta de 1750, John Newton era o comandante de um navio negreiro inglês. Os navios faziam o primeiro pé de sua viagem da Inglaterra quase vazios até que aportassem na costa africana. Lá os chefes tribais entregavam aos Europeus as "cargas" compostas de homens e mulheres, capturados nas invasões e nas guerras entre tribos. Os compradores selecionavam os espécimes mais finos, e comprava-os em troca de armas, munições, licor, e tecidos. Os cativos seriam trazidos então a bordo e preparados para o "transporte". Eram acorrentados nas plataformas para impedir suicídios. Colocados lado a lado para conservar o espaço, em fileira após a fileira, uma após outra, até que a embarcação estivesse "carregada", normalmente até 600 "unidades" de carga humana. Os escravos eram "carregados" nos navios para a viagem através do Atlântico. Os capitães procuraram fazer uma viagem rápida esperando preservar ao máximo a sua carga, contudo a taxa de mortalidade era alta, normalmente 20% ou mais. Quando um surto de desinteria ou qualquer outra doença ocorria, os doentes eram atirados ao mar. Uma vez chegados ao Novo Mundo, os negros eram negociados por açúcar e melaço que os navios carregavam para Inglaterra no pé final de seu "comércio triangular." John Newton transportou muitas cargas de escravos africanos trazidos à América no século XVIII. Numa das suas viagens, o navio enfrentou uma enorme tempestade e afundou-se. Foi nesta tempestade que Newton ofereceu sua vida a Cristo, pensando que ia morrer. Após ter sobrevivido, ele converteu-se verdadeiramente ao Senhor Jesus e começou a estudar para ser um Pastor”. Nos últimos 43 anos de sua vida ele pregou o evangelho em Olney e em Londres. Em 1782, Newton disse:  "Minha memória já quase se foi, mas eu recordo duas coisas: Eu sou um grande pecador, Cristo é o meu grande salvador." No túmulo de Newton lê-se: "John Newton, uma vez um infiel e um libertino, um mercador de escravos na África, foi, pela misericórdia de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, perdoado e inspirado a pregar a mesma fé que ele tinha se esforçado muito por destruir". O seu mais famoso testemunho continua vivo, no mais famoso das centenas de hinos que escreveu:


* Sublime graça
1. Sublime graça que alcançou
Um pobre como eu,
Que a mim, perdido e cego achou,
Salvou e a vista deu!

2. De vãos temores e aflição
A graça me livrou
E doce alívio ao coração
Em Cristo me outorgou.

3. Se lutas vêm, perigos há,
Se é longo o caminhar,
A graça a mim conduzirá
Seguro ao santo lar.

4. A Deus, então, adorarei
Ali, no céu de luz,
E para sempre cantarei
Da graça de Jesus.

In http://bacaninha.globo.com

Trailer do Filme Amazing Grace
Ouça a música no Youtube.

Vídeo: Graça que Restaura  

Leia outros textos sobre a Graça de Deus clicando aqui.

Veja Também:

Related Posts with Thumbnails